NOSSO BANNER

Create your own banner at mybannermaker.com!

Quarto Reich

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Quarto Reich é um termo utilizado para descrever um futuro teórico da história alemã - um sucessor do Terceiro Reich. O termo foi utilizado inicialmente por Rudolf Hess após osJulgamentos de Nuremberg, quando, sofrendo de distúrbios mentais, afirmou ser ele o "Führer do Quarto Reich".[1] Porém o termo se tornou popular nos anos de 1960 e 1970, devido ao fato de várias figuras políticas da Alemanha Ocidental, como o chanceler Kurt Georg Kiesinger, possuírem vínculos com o regime do Terceiro Reich.

Em termos de neo-nazismo, o quarto Reich é apresentando como um Estado em que vigora a "supremacia ariana", anti-semitismo, Lebensraum, militarismo e totalitarismo. Neo-nazistasacreditam que o Quarto Reich abrirá caminho para o estabelecimento de um "Império Ocidental", um império pan-ariano abrangendo terras com proeminentes laços arianos (Europa,Rússia, Anglo-América, Austrália, Nova Zelândia, e algumas partes da América do Sul como o Brasil), o que permitiria que o Ocidente entrasse no "choque de civilizações". [2]

Em seu livro, "A Ascensão do Quarto Reich: As sociedades secretas que ameaçam assumir a América" (em inglês: The Rise of the Fourth Reich: The Secret Societies That Threaten to Take Over America) Jim Marrs argumenta que alguns membros sobreviventes do Terceiro Reich, juntamente com simpatizantes dos nazismo nos Estados Unidos e noutros países, trabalharam clandestinamente desde o final da Segunda Guerra Mundial para que alguns dos princípios do nazismo (por exemplo, militarismo, fascismo, imperialismo, espionagem generalizada e utilização de propaganda para controlar os interesses nacionais) sejam infiltrados na cultura, governo e empresas em todo o mundo, mas principalmente nos Estados Unidos. Ele cita a suposta influência do nacional-socialismo nos Estados Unidos no final da Segunda Guerra Mundial, tais como cientistas nazistas que ajudaram os E.U.A no avanço naindústria aeroespacial, bem como a aquisição e a criação de conglomerados pelos nazistas e seus simpatizantes após a guerra, tanto na Europa e E.U.A.



sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Ion Mihai Pacepa e desinformação

Julio Severo: Ion Mihai Pacepa e desinformação
O Instituto Plínio Corrêa de Oliveira, instituição católica conhecida por suas posturas conservadoras, também questionou as conclusões exageradas do livro de Pacepa, publicando o artigo (reproduzido no meu blog) intitulado “A KGB inventou a Teologia da Libertação? Simples demais…
Dizer, como Pacepa disse, que a KGB inventou a Teologia da Libertação é a mesma coisa que dizer que a CIA criou o movimento pentecostal e neopentecostal, embora alguns católicos muito radicais declarem exatamente isso. Durante a Guerra Fria, a KGB apoiou setores da Igreja Católica ligados à Teologia da Libertação enquanto a CIA apoiou movimentos pentecostais conservadores que eram anti-Teologia da Libertação. Veja meu artigo “A guerra religiosa entre CIA e KGB na América Latina.” Eu já frequentei igrejas pentecostais e neopentecostais. Isso quer dizer então que sou filhote da CIA? De forma alguma.
O famoso jornal católico National Catholic Register, num artigo escrito pelo jornalista católico Victor Gaetan, rebateu Pacepa e seu livro mostrando que há conteúdo desinformatório nas declarações dele. Veja o artigo “’Desinformação’ e uma Fonte Questionável,” traduzido por mim.
O teólogo católico Malachi Martin aponta vários líderes eclesiásticos católicos que, antes do nascimento da KGB, já promoviam a Teologia da Libertação. Veja o artigo “Olavo de Carvalho errou sobre quem é a mãe da Teologia da Libertação.”

O 4°REICH - Lei islâmica...


Encontrando um lugar seguro para cristãos paquistaneses
Publicado por Marijana PETIR, Membro do Parlamento Europeu
Escrito por: Marijana PETIR, deputado do Parlamento Europeu em 4 de agosto de 2017.

Asia Bibi, uma mulher de uma pequena aldeia na província de Punjab, no Paquistão, chamou atenção internacional quando foi acusada de blasfêmia sob a regressiva Lei da Blasfêmia do Paquistão. O único crime de Ásia Bibi era que ela era uma cristã e tomou um gole de água do mesmo navio que uma mulher muçulmana de sua localidade, levando a um argumento. Uma mãe de cinco filhos, a Ásia Bibi logo perceberia que este incidente aparentemente inócuo em junho de 2009 mudaria o curso de sua vida. Dentro de semanas, um caso foi registrado contra ela sob a lei da blasfêmia, onde foi acusada de insultar o Profeta Muhammad. Embora negasse a acusação de blasfêmia, em novembro de 2010, a Ásia havia sido condenada à morte pelo Tribunal Distrital. Ainda permanece em custódia e apelou contra a sentença.

Um incidente como este só pode evocar descrença e horror em qualquer outra parte do mundo civilizado. Mas esta é a cruel realidade que todos os dias cristãos e membros de outros grupos minoritários religiosos no Paquistão enfrentam. Os cristãos, que formam cerca de 1,6 por cento da população do Paquistão, vivem em constante medo da perseguição, são negados o direito básico à educação e aos meios de subsistência e são obrigados a viver em seus próprios bairros restritos de guetos. Tradicionalmente uma classe sub-privilegiada, os cristãos são obrigados a assumir empregos secundários. Na cidade de Peshawar, 80% dos trabalhadores sanitários são cristãos. Para piorar as coisas, as leis são tendenciosas contra as minorias religiosas, não lhes dando direitos políticos iguais aos outros muçulmanos.

Além de enfrentar discriminação social e isolamento, os cristãos também são alvo regular de grupos extremistas islâmicos. Ao longo dos anos, as localidades cristãs testemunharam ataques terroristas, e suas igrejas vandalizaram. Mais de 100 casas cristãs foram incendiadas em março de 2013 em Lahore, depois que um homem cristão foi acusado de falar contra o Profeta Muhammad. No mesmo ano de setembro, mais de 80 pessoas foram mortas em uma explosão fora de uma igreja em Peshawar. Em 2015, bombardeiros atingiram duas igrejas em Lahore, matando mais de uma dúzia de pessoas. Com a segurança dos cristãos não uma prioridade para o governo provincial do Punjab, ataques como estes obrigaram muitas igrejas a empregar voluntários armados para proteger suas instalações.

Sucessivos governos paquistaneses permitiram que as forças extremistas radicalizadas prosperassem, reduzindo drasticamente a tolerância na sociedade e privando os grupos religiosos minoritários do direito de viver com segurança e dignidade. Os livros escolares estão repletos de conteúdo que inculca a tendência religiosa nas mentes jovens, preparando assim uma geração futura que será enraizada na intolerância e na intolerância. Como resultado, os ataques contra os cristãos em todo o país continuam a aumentar. Ultimamente, outra tendência perturbadora tem sido o alvo de estrangeiros, pertencentes à fé cristã.

Quando, em junho deste ano, dois chineses foram seqüestrados no Bálucistão e executados pelo grupo terrorista Lashkar-e-Jhangvi al-Alami, ministro do Interior do Paquistão, Chaudhary Nisar Ali Khan, pareciam justificar essa ação ao anunciar que ambos eram missionários cristãos que, ao longo de Com alguns sul-coreanos, estavam "ilegalmente" envolvidos na pregação de sua religião. Como se isso não fosse ruim o suficiente, as agências de segurança do Paquistão cancelaram os vistos dos dois sul-coreanos e os detiveram. Ambos os indivíduos continuam sendo presos no Paquistão, e a embaixada sul-coreana também está sendo negada o acesso consular a eles. Se a situação dos cristãos paquistaneses é algo a seguir, os dois cristãos sul-coreanos parecem estar olhando para um futuro sombrio.

Para interromper a rápida descida do Paquistão em um pesadelo para os direitos humanos, há uma necessidade de leis como a contra a blasfêmia, a revogação e também para uma transformação completa das instituições-chave no país, começando pela educação. Embora a comunidade internacional só possa apoiar este esforço, é para o Paquistão encontrar um lugar seguro para os seus cristãos e grupos minoritários para viver.

Marijana Petir, MEP é membro da Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade de Género

http://eptoday.com/finding-a-safe-place-for-pakistani-christians/

domingo, 30 de julho de 2017

As pessoas em dietas de baixo carboidrato vão colher o benefício de ter sua gordura corporal dividida em cetonas e eliminada através da urina se não for usada

CETOACIDOSE

O que é a cetoacidose diabética? Quando um diabético (geralmente um diabético Tipo I, mas às vezes isso ocorre muito estágio avançado em diabéticos Tipo II) deixa de receber insulina suficiente, eles vão para um estado eficaz de fome. Enquanto eles podem ter toda a glicose no mundo em sua corrente sanguínea, sem insulina, essa glicose não vão ser usadas e eles começar a acumular. Assim, o diabético vão estar efetivamente em inanição. O corpo faz o que ele faria em qualquer um – ele começa a fazer cetonas de gordura e proteínas. Aqui está o problema: o paciente diabético, neste caso, não pode produzir insulina (ou ela não está ativada pelos remédios) e por isso o corpo não sabe quando parar de produzir cetonas. Se os níveis de cetona ficar alta por um longo tempo (especificamente, beta-hidroxibutirato) gera-se um desequilíbrio do pH o que resulta numa profunda perturbação metabólica e o paciente está em estado grave.

CETOSE

Cetose é uma história completamente diferente. Esta condição é alcançada por alguns praticantes do estilo de vida low-carb que se referem a ela como “a vantagem metabólica”. Lembra-se como cetonas não podem ser armazenadas para uso posterior, somente eliminadas através da urina? Bem, as pessoas em dietas de baixo carboidrato vão colher o benefício de ter sua gordura corporal dividida em cetonas e eliminada através da urina se não for usada. Os baixos níveis de insulina são necessárias para a mobilização do tecido adiposo, e a insulina é produzida a partir do pâncreas, principalmente como resultado do consumo de hidratos de carbono na dieta. A razão pela qual praticantes do estilo de vida low-carb não desenvolvem algum dos sintomas negativos como alguém com diabetes tipo 1 é porque uma pessoa em uma dieta low-carb não tem níveis cronicamente elevados de açúcar no sangue. De fato, os low carbers consumem muito pouco carboidrato, e o pouco que eles consomem faz gerir de forma eficaz a insulina que essas pessoas são capazes de produzir.

As pessoas confundem cetose nutricional com cetoacidose diabética por desconhecer conceitos que fogem a luz da bioquímica e da fisiologia… muitos acreditam que ambas as condições são perigosas porque ambas envolvem a formação de cetonas, mas são, na verdade, os efeitos prejudiciais da diabetes não são devidos à cetona somente, mas também porque o sangue está mais ácido e também com açúcar elevado.

Os níveis de cetonas podem ser detectados pela urina, através de fitas indicadoras vendidas em farmácias  ou no sangue por meio de medidores semelhantes aos de glicose (tem um post aqui: Medidor de cetonas).

Lembrem-se, nós que fazemos essa dieta, produzimos insulina, seja pelo carboidrato que comemos ou pelas proteínas que também ingerimos que também se transforma em glicose pelo meio da gliconeogênese. Nós mantemos o nível de glucagon (hormônio antagônico a insulina e responsável pela lipólise/quebra de gordura) controlado e a quebra de gordura idem tudo porque nessa dieta o nível de insulina também está controlado, é impossível estar em cetoacidose nessas condições.

Na cetoacidose diabética os níveis de cetona estão pra lá de elevados, 20 a 25 vezes maior que na cetose dietética, tudo porque não se tem a insulina sendo produzida e portanto o hormônio antagônico dela, o glucagon, está em descontrole total , e não há controle voluntario no aumento da quebra dos ácidos graxos provenientes das gorduras corporais, e talvez seja essa a diferença presente em ambas condições. Neste artigo, podemos ver a uma tabela sobre os níveis médios de glicose, insulina, cetonas e pH no organismo para cada tipo de dieta.:

Níveis sanguíneosDieta normalDieta cetogênicaCetoacidose diabéticaGlicose (mg/dl)80-12065-80>300Insulin (U/l)6-236.6-9.4~0Concentração de corpos
cetônicos (mg/dl)1.8126-144> 450pH7.47.4> 7.3

Na cetose fisiológica (que ocorre durante dietas cetogênicas com muito pouco carboidrato), a cetonemia atinge níveis máximos de 130-160 mg/dl (não vai mais alto que isso precisamente porque o sistema nervoso central usa eficientemente tais moléculas como fonte de energia, ao invés de glicose) e sem alteração no pH, enquanto na cetoacidose diabética descontrolada ela pode exceder 450mg/dl com concomitante diminuição do pH sanguíneo.]

Cetose é um conceito amplo realmente e é amplo por que não quantifica nada, basta-se ter corpos cetônicos pra se estar em cetose, mas estar em cetose é uma coisa e estar em cetoacidose é outra coisa completamente diferente, assim como estar ceto-adaptado é outra coisa (não basta produzir cetonas para já estar usando elas como energia, precisa de tempo para o corpo acostumar).

https://www.diaadialowcarb.com.br/cetose-x-cetoacidose-qual-a-diferenca/

terça-feira, 25 de julho de 2017

Ciência Low Carb: Por que a glicemia de jejum pode aumentar?

Ciência Low Carb: Por que a glicemia de jejum pode aumentar?
Quando em cetose - e, portanto, POR DEFINIÇÃO com insulina muito baixa (afinal, sem isso não se atinge a cetose nutricional), o metabolismo muda de oxidação de glicose para beta-oxidação de ácidos graxos. Estes ácidos graxos passam a ser liberados em grande quantidade por ação da lipase hormônio-sensível (enzima que, nos adipócitos, é fortemente inibida pela insulina - ergo, novamente, isso acontecerá com insulina BAIXA). O aumento de Ácidos Graxos Livres (Free Fatty Acids - FFA) na circulação é o responsável pela indução de resistência à insulina, especialmente nos músculos. Isto é fisiológico, isto é normal, e isto é necessário, pois em virtude da dieta low carb, a quantidade de glicose disponível (produzida por gliconeogênse) é limitada, e precisa ser reservada para as células que dependem de glicose (como é o caso das hemácias, que não têm mitocôndrias, e dos neurônios do SNC, que podem ser supridos apenas parcialmente por corpos cetônicos). Não é maravilhosamente elegante esse nosso metabolismo?